Diário de viagem: final de semana na Chapada dos Veadeiros

Diário de viagem: final de semana na Chapada dos Veadeiros
Escrito por Carlos Freitas no dia na categoria Alto Paraíso

O Carlos Freitas, do #teamaproveite, aproveitou o fim de semana e foi até a Chapada dos Veadeiros. Foi apenas o início das suas férias dele, que renderão bons conteúdos por aqui.  Com os amigos, ele pegou a estrada na sexta-feira pela manhã (8/12) e voltou na segunda-feira (11/12).

A chuva foi uma companhia constante nos três dias que ficaram na região e um limitador para alguns programas que poderiam fazer parte do passeio.  Ainda assim, a beleza do lugar é exuberante e não faltam atrações na  Chapada dos Veadeiros. Basta ter disposição!

Uma publicação compartilhada por #aproveiteacidade (@aproveiteacidade) em

Que tal conferir o diário de viagem de Carlos e sua percepção sobre os dias em que esteve em Alto Paraíso?

Aproveite!

 

“Totalmente de última hora fui convidado para uma viagem a Alto Paraíso – a 440 km de Goiânia – com amigos e, claro, não recusei. Não se recusa uma viagem assim. O combinado foi que ficaríamos três dias na cidade, de sexta-feira (8/12), a domingo (10/12) e voltaríamos a Goiânia na manhã de segunda-feira (11/12).

Desde o início da semana comecei a verificar em sites sobre como estaria o tempo na região. A previsão foi mudando no decorrer dos dias, porém com uma certeza: pegaríamos chuva em pelo menos dois dias!

A estrada: fora o tráfego de Brasília, o caminho até Alto Paraíso (GO) foi tranquilo pelas BR-010 e BR-020 | Foto: Carlos Freitas

 

SEXTA

Na sexta-feira, saímos de Goiânia aproximadamente às 4h30. Passamos por Brasília entre 6h30 e 7h, já pegando trânsito na capital federal. E aqui vai a primeira dica: tente não passar na cidade entre 6h e 9h da manhã, pois se perde muito tempo em engarrafamentos. Despois da capital federal, a estrada até a Chapada está muito boa, com quase nenhum buraco e, na hora que fomos, com pouco movimento. Vá sem preocupação.

Chegamos a Alto Paraíso por volta das 10h, com um céu que ora abria e ficava azul, ora fechava e chegava a garoar. De primeira, decidimos que não iríamos a nenhuma cachoeira, mas que no fim da tarde visitaríamos o Éden Águas Termais, localizado a 50 km de Alto Paraíso.

Éden Águas Termais é opção próxima para relaxar e refúgio para dias de chuva, em que trilhas longas e água fria de cachoeiras intimida

A estrada até o local (passa por São Jorge) também está quase toda asfaltada – apenas um trecho de 2 km ainda está em obras.  O local também é um hotel e cada pessoa paga 20 reais para entrar. São três poços com água morna, e uma estrutura básica, porém boa. A trilha é super tranquila, e há local coberto para deixar mochilas e roupas, banheiro e também um chuveiro de água muito gelada. Vale a visita!

Após ficar de molho na água quente fomos ao distrito de São Jorge, que fica há 20 km do local, já em direção a Alto Paraíso. O local não possui asfalto, mas tem bons restaurantes, hotéis, hostels e bares. Ah, a entrada para o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros fica lá também. Como São Jorge estava vazia, acabamos a noite cedo em Alto Paraíso com um churrasco.

Vale da Lua é monitorado rotineiramente por funcionários. Em dias de chuva, uma das preocupações são as trombas d’água | Foto:  Carlos Freitas

 

Sábado

No sábado, acordamos às 7h pensando em ir à Cachoeira Santa Bárbara, localizada a 120 km da cidade e que é conhecida pelas águas cristalinas. Dependíamos do clima, que, infelizmente, não nos ajudou, já que chovia.

Resolvemos ir a dois lugares mais perto. Primeiro, fomos ao Vale da Lua, que fica a aproximadamente 30 km de Alto Paraíso. É um lugar que não pode deixar de ser conhecido. São 20 reais para entrar.

Chegamos e a chuva começou a cair. Se chover forte, o local é fechado devido ao risco de tromba d´água. Vazio, pudemos ficar tranquilos na água – um funcionário do local monitora as pessoas e também a chuva. Para chegar até lá, são 600 metros de trilha leve. O Vale da Lua, mesmo com o céu coberto de nuvens, é fascinante.

De lá fomos para a Fazenda São Bento, que fica a 10 km de Alto Paraíso. Ela possui uma bela entrada e a sede fica muito próxima da rodovia. Há um conjunto de três cachoeiras: São Bento, Almécegas I e Almécegas II. No local, ainda é possível fazer rapel, andar de tirolesa (R$100), passeio a cavalo e alugar bicicletas.

Cachoeira São Bento é uma das atrações de fazenda a 10 km de Alto Paraíso. A taxa para visitar o local é de 10 reais | Foto:  Carlos Freitas

Escolhemos entrar apenas na Cachoeira São Bento, e pagamos 10 reais por pessoa. Se escolher entrar nas três, o preço sobe para 30 reais. A trilha para a São Bento é muito curta. Para as Almécegas, a trilhas podem ser feitas a pé ou de bike. A dificuldade é maior.

Com a chuva fina que caía, a cachoeira era só nossa. A queda d’água é linda, a água é fria e o lugar bem bonito. Para os mais corajosos, há lugares onde é possível pular no poço, que é fundo.

Voltamos para Alto Paraíso e resolvemos sair à noite. Já era tarde, por volta das 23h30, e a cidade estava vazia mais uma vez, mesmo com um encontro de motociclistas na cidade.

 

Domingo

No domingo a chuva caía mais uma vez e estava pouco mais forte. Isso impossibilitou a ida a qualquer cachoeira. No fim da tarde, fomos de novo ao Éden Águas Termais para aproveitar a estadia na Chapada dos Veadeiros.

 

Segunda-feira

Na segunda-feira saímos às 3h30 da manhã da cidade, com a estrada mais uma vez vazia, porém com muita chuva e neblina, portanto, fiquem atentos na rodovia. Em Brasília pegamos menos trânsito dessa vez.

 

Ponderações

Até por ser um fim de semana normal, Alto Paraíso e São Jorge estavam vazias, mas isto pode ter acontecido também por culpa da queimada que consumiu mais de 30% do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros.

Na estrada, que liga Alto Paraíso a São Jorge, é muito fácil perceber que o local esteve em chamas há pouco tempo. Mais fácil ainda é notar que a natureza é mais forte e o lugar já está belo como sempre, apesar de os danos da queimada não se limitarem ao que vemos. Não deixe de visitar o local por culpa do incêndio.”

Você também pode gostar

Palavras chave: , , , , , ,

,