Conheça a trajetória de inovação e empreendedorismo do Aproveite a cidade

Conheça a trajetória de inovação e empreendedorismo do Aproveite a cidade
Escrito por Paula Falcão no dia na categoria Cidade

Você conhece a nossa história? O Aproveite a cidade é o resultado de muitas reviravoltas da vida, de encontros certeiros e pessoas que querem fazer acontecer uma comunicação diferente. Talvez, o que você não saiba é que a nossa trajetória tem uma forte ligação com o Centro Knight de Jornalismo para as Américas, cuja sede fica em Austin, no Texas (EUA).

Campus de Austin da Universidade do Texas, onde é sediado o Centro Knight de Jornalismo para as Américas / Foto: arquivo pessoal (2015)

A instituição trabalha com a democratização do conhecimento em comunicação, com cursos gratuitos. Há cinco anos as aulas online deram um upgrade significativo nesta distribuição de metodologias, com os chamados Massive Open Online Courses (MOOCs) –  Cursos Massivos Abertos Online.  Para comemorar esta marca, o Centro Knight reuniu depoimentos de alunos contando como suas carreiras foram impactadas pelos cursos. Você pode ler várias delas, AQUI!

A seguir, você confere o relato da Paula Falcão, fundadora do Aproveite a cidade. Nele, você vai entender como os  MOOCs  “Introdução ao Jornalismo Móvel” (2014),  “Produção de vídeos jornalísticos para a internet” (2016) e “Videojornalismo: narrativas visuais para plataformas digitais” (2017) ajudaram na construção da nossa plataforma. Também separamos  fotos que ajudam a ilustrar esta história.

Aproveite!

“Esta narrativa é, definitivamente, um agradecimento.  Em 2014, vi no MOOC “Introdução ao Jornalismo Mobile” a possibilidade de me aperfeiçoar em uma área que considerava necessária e com a qual tinha afinidade, principalmente em relação a vídeo.  Minha intenção era galgar uma oportunidade profissional para produzir reportagens audiovisuais na redação do jornal O Popular, onde eu trabalhava na época como repórter na editoria de Esportes.

Meu projeto de vídeos de um minuto, em que apresentava opções de turismo e lazer em Goiânia – uma capital vista como pacata e desinteressante pelos próprios moradores -, foi selecionado como um dos melhores trabalhos finais no curso. Os vídeos foram produzidos com um celular ultrapassado, fones de ouvido e distribuídos por WhatsApp. Como prêmio, acompanhei o Simpósio Internacional de Jornalismo Online (ISOJ), em Austin (TX), em abril de 2015.

Primeiro registro feito por Paula Falcão em viagem a Austin, no Texas. Estudantes selecionados foram recebidos com canecas do Simpósio / Foto: arquivo pessoal (2015)

Acompanhar o ISOJ foi a experiência mais fantástica que poderia acontecer.  Vi abrir diante de mim um leque de possibilidades de comunicar, novas maneiras de contar histórias e praticar jornalismo. Tudo direto da fonte, relatado por representantes das mídias mais respeitadas no mundo. Criei uma nova perspectiva da profissão e tive muita vontade de dividir e praticar o que aprendi.

Como o Knight Center influenciou minha trajetória profissional

Mal voltei a Goiânia, após a viagem aos Estados Unidos, e estreava no Popular o primeiro produto jornalístico pensado em termos de formato e execução para as mídias sociais. Ele finalmente invertia a lógica que colocava o impresso em um patamar mais valorizado. O jornal daquele dia tinha uma matéria que explicava um produto digital: o “Aproveite a cidade”, uma série de quatro vídeos apresentando Goiânia, inspirado no meu projeto final do MOOC.

Após Colóquio de Jornalismo Digital, estudantes posam com Rosental Alves, diretor do Centro Knight, e Lorena Tárcia, professora do MOOC de Jornalismo Móvel / Foto: arquivo pessoal (2015)

A receptividade do Aproveite a cidade  nas redes sociais foi ótima. Foi bem assistido para o parâmetro que tínhamos, gerou engajamento e comentários positivos. Mas a preocupação da redação era basicamente fluxo e audiência para o site. Só consegui mudar de função e trabalhar com vídeos para internet seis meses depois. Fui a primeira jornalista do Popular com a função de pensar o multimídia.

Foi desafiador estruturar a lógica produtiva para que o vídeo fosse visto como um conteúdo independente, mas que agregava valor ao material produzido rotineiramente. Antes, os vídeos reproduziam o que já estava disponível em texto. Foi necessário mobilizar fotógrafos para a nova linguagem, ir para a rua como videomaker, indicar como deve ser feito, editar, conversar com editores, repórteres.

Árvores são contorno ao prédio que recebeu o Simpósio Internacional de Jornalismo Online (ISOJ), na Univeridade do Texas, em 2015 / Foto: arquivo pessoal

Em certo ponto, a produção se voltou mais para programas fixos do que para reportagens. Até que o MOOC “Produção de vídeos jornalísticos para internet” em julho de 2016 clareou o que deveríamos aplicar para entregar conteúdo em vídeo de qualidade. Houve boa mobilização dos profissionais da redação em torno deste curso.

Mais um MOOC e o curso no Youtube

Pela segunda vez, tive um trabalho premiado e fui uma entre os 15 alunos do MOOC que visitaram o Youtube Space, em São Paulo. Foi importantíssimo saber utilizar as funcionalidades da plataforma da melhor maneira. Mais que do que isso, conhecer como a produção de vídeos para a internet funcionava em outros veículos, trocar experiências e aprender com João Wainer detalhes da rotina produtiva que não entraram no MOOC… totalmente enriquecedor!

Alunos selecionados para encontro e curso no Youtube Space, em São Paulo, após MOOC Produção de vídeos para internet em 2016.  João Wainer, professor do curso, está ao centro, de preto / Foto: arquivo pessoal

Como o Aproveite a cidade virou um negócio

Em novembro de 2016, com orientação de uma amiga que trabalha há anos no mercado publicitário, consegui enxergar o potencial de negócio do Aproveite a cidade. Eu não tinha de voltar a fazer meu produto dentro da redação. Talvez, eu devesse construir a oportunidade de aplicar o que aprendi em MOOCs, cursos de especialização e na pós-graduação de gestão em mídias digitais estruturando meu próprio negócio, com uma perspectiva diferente do “ser jornalista” que tinha vivido até ali.

Demorou um pouco, muita coisa aconteceu pelo caminho, mas em junho de 2017 coloquei a plataforma de conteúdo Aproveite a cidade no ar. Claro, um belo time trabalhou para fazer acontecer. Com o propósito de mudar a maneira como as pessoas se relacionam com as cidades por meio da informação, o veículo trabalha com linguagem adequada aos cinco meios em que se apresenta: site (aproveiteacidade.com), Youtube, Instagram, Facebook e Twitter.

Paula Falcão durante gravação de vídeo para o Aproveite a Cidade, no Bosque dos Buritis, em Goiânia/ Foto: Carla Falcão (2017)

Entendemos que promover a conexão real de pessoas com lugares é uma missão cidadã. Isso as torna mais conscientes de sua história, da aplicação de dinheiro público, da necessidade de conservar, cobrar melhorias e como fazê-lo. Ainda estamos no começo, mas o negócio mostra-se com perspectiva sustentável. Também queremos aplicar a partir de 2018 formas inovadoras de monetização.

Não é fácil. Minha dedicação é integral. Mas a relação com as pessoas que seguem o Aproveite a cidade é incrível!  Acho que estou no caminho certo e ele começou com conhecimento de um MOOC do Knight Center, um celular, um fone de ouvido e a ajuda da minha irmã, então com 17 anos e nenhuma técnica, gravando vídeos numa manhã de terça-feira nos bosques de Goiânia.”

Obrigada a todos que fazem o Aproveite a cidade ser o que é!

Palavras chave: , , , , , , ,

,